quarta-feira, 7 de setembro de 2011


Já não é de agora...

Finais do século XIX. A República vem a caminho. O exemplar que aqui publico veio para-me às mãos num e-mail enviado pelo meu caríssimo Amigo desde a juventude, o João Ribeiro de Almeida. É uma página do jornal republicano «A Vanguarda» datada de 23 de Agosto de 1895... Pelos vistos, e plagiando anúncio que teve a sua época não muito afastada, mais coisa, menos coisa, <i> a tradição já vem de longe, tal como a fama do brandy Constantino</i>... Não há nada novo à face da terra? Claro que há. Mas esta imagem é bem elucidativa de que Portugal as coisas eram o que eram e são o que são.


«E digam depois que não somo um paiz desgraçado!»

5 comentários:

  1. Henriquamigo
    Sempre ouvi dizer que:"A História repete-se sempre". A nossa não só se repete, como se repete logo. Não há intervalos. A m... é a mesma, só mudam as moscas e, mesmo essas, voltam sempre.
    Triste país, o nosso!
    Abçs dos homens, beijinho para a Raquel e queijinho pequenino, por causa da crise.
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Vês...Não te largo:)

    Quero mesmo aprender:)

    ResponderEliminar
  3. O que nasce torto......
    Portugal nasceu com o filho a bater na mãe!!!
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Aqui no Brasil, há muitos pulhíticos, amigo!
    Beijos!

    ResponderEliminar